-->

RECEBE AS NOSSAS NOVIDADES POR E-MAIL

domingo, 2 de dezembro de 2018

Ivan Mazuze lança mais uma obra discográfica

O xichangana, uma das línguas do Sul do país, tem, no seu rico vocabulário, a palavra 'moya', em português 'espírito / alma'. Foi àquela língua que Ivan Mazuze foi buscar o título do seu novo álbum, segundo a crítica, rico em delícias melódicas e rítmicas que foram carinhosamente seleccionadas e esculpidas de músicas tradicionais africanas e indianas.

O novo álbum de Mazuze pertence ao género world jazz e é constituído por 11 músicas, as quais totalizam 56 minutos. Os temas são: “Rohingya”, “Mantra”, “Masessa”, “Moya”, “Lunde”, “Wemba Wa”, “Nchisi”, “Griot”, “Asante”, “Baobá” e “Khuloiya”.

Produzido por Ivan Mazuze, este trabalhado discográfico conta com saxofones, flauta, palmas das mãos e sons vocais do autor. De igual modo, tem a participação de Hanne Tveter (vocal), Olga Konkova (Piano), Bjørn Vidar Solli (guitarra), Raciel Torres (tambores), Ibou Cissokho (kora), Sidiki Camara (percussão, tambores), Sanskriti Shretsha (tablas, vocais).
SOBRE OS SONS DO MOYA

A faixa de abertura de Moya, "Rohingya", pesar de ritmicamente relaxada, tem um toque meditativo e reflexivo e foi inspirada pelo povo Rohingya de Mianmar, que foi deslocado de sua terra natal, em 2017. “Mantra” é uma visão de costume comum entre algumas práticas religiosas africanas importantes. Um mantra é um enunciado sagrado, um grupo de sons ou palavras que se acredita terem poderes psicológicos e espirituais. A faixa combina um mantra de fogo rápido com interação instrumental convincente e soberbo sax solo alto de Ivan Mazuze.

“Masessa” é, historicamente, um sobrenome desenvolvido para classificar as pessoas em grupos - por ocupação, local de origem, parentesco e até mesmo características físicas. A faixa abre percussivamente levando a uma declaração temática estimulante e assim a solos destros da pianista Olga Konkova e Ivan Mazuze, quem concebe a música "Moya” como alma, vento e uma conexão em um contexto espiritual, “o que para mim significa simplesmente em busca de almas musicais. Sondar piano e saxofone abrem caminho através de uma faixa cativante e encantadora, que pode ser considerada a peça central do álbum”.
"Lunde" foi inspirado pela música folclórica norueguesa tradicional e relaciona-se especificamente com a região de Telemark, onde Ivan passa uma grande quantidade de tempo auto-reflexivo na abundante beleza natural da região. A faixa inclui um tremendo solo de guitarra do guitarrista Bjørn Vidar Solli.

"Wemba Wa" foi inspirado pelo falecido artista pop congolês Papa Wemba, que desfrutou de uma reputação internacional na música mundial. Wemba significou muito para a compreensão, pesquisa e desenvolvimento musical de Ivan Mazuze.
“Nchisi” foi inspirada na paisagem e nas pessoas do distrito de Nchisi, no Malawi. ”A faixa oferece uma deliciosa combinação de saxofone, kora tocada por Ibou Cissokho e percussão fornecida pelas palmas do autor.

“Griot” da África Ocidental é um trovador, o equivalente do menestrel medieval europeu. O griot sabe tudo o que está acontecendo, ele é um arquivo vivo das tradições do povo. Os talentos virtuosos dos griots comandam a admiração universal.
"Asante" é uma palavra swahili que significa "obrigado". A faixa apresenta os talentos virtuosos do baixista Per Mathisen, Ivan no saxofone alto e guitarra de Solli. Como em todo o álbum, o baterista Raciel Torres é sensacional. É, na sua totalidade, um vigoroso tour de force!
A árvore "Baobab" é conhecida como "a árvore da vida". Pode fornecer abrigo, roupas, comida e água para os habitantes humanos e animais das regiões de savana africana. A faixa inclui um evocativo tema vocal / instrumental, um solo de piano ultra-jazzístico, um ágil solo de baixo acústico e um solo final do Maestro Mazuze.
"Khuloiya" significa "ancestralidade" na língua xichangana. “A faixa é dedicada ao meu falecido amigo, um baixista chamado 'Filipinho' que realmente deu nome a esta música quando a compus há 15 anos”, disse Mazuze.
“Este álbum é verdadeiramente cativante. É uma mistura do velho e do novo, uma fusão do Leste e do Oeste, uma mistura de estilo e substância. “Dizemos‘ asante ’para Ivan Mazuze e sua‘ tribo ’escolhida para um experimento musical que teve sucesso em todos os sentidos.” afirmou David Fishel Music & Media.


PERFIL
Ivan Mazuze é um artista, compositor, académico e viajante que encontrou o seu lar na Noruega. Ele é inspirado por diferenças culturais e mergulha no estudo dos elos que conectam a música tradicional à música contemporânea. A escolha de instrumentos neste álbum varia de sax, piano, guitarra, baixo, tablas, kora e cabaça. O material deste novo álbum, Moya, explora a música religiosa usada nas práticas durante o ritual de transe de possessão espiritual chamado Xikwembu.

0 comentários:

Enviar um comentário

Copyright © 2018 Soares-Muzik Todos Direitos Reservados
Desenhado Por: Ivanildo Soares